Primeiro Fórum de Neabis da Unipampa será realizado em maio

A Reitoria, através da Coordenadoria de Ações Afirmativas (CAF), promove o primeiro encontro de integração institucional dos Núcleos de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas, realizando o I Fórum de Neabis da Unipampa no dia 17 de maio, no Salão Nobre da Prefeitura do Município de Bagé.

A Unipampa mantém um Núcleo no Campus de Uruguaiana, desde 2010. Após a aprovação da Resolução 161/2016 que prevê a criação de mais NEABIs na instituição, os campus localizados nas cidades de Jaguarão, Itaqui, São Borja e Alegrete já estão regulamentando seus núcleos.

Os campus de Bagé, Santanta do Livramento, São Gabriel, Dom Pedrito e Caçapava do Sul estão em processo de articulação entre os/as servidores/as interessados/as nos estudos afro-brasileiros e indígenas.

Para maiores informações, entrar em contato com a Coordenadoria de Ações Afirmativas (CAF) da Unipampa, pelo email: caf@unipampa.edu.br

Visite o site do Fórum de NEABIs da Unipampa

Unipampa 2017 seleção para indígenas aldeados

A Universidade Federal do Pampa divulgou o Edital nº 388/2016, que normatiza o processo seletivo específico para indígenas aldeados. Serão 21 vagas, em quatro campi, distribuídas em 12 cursos de graduação.

As inscrições deverão ser feitas até o dia 15 de janeiro de 2017, por meio do site da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd)Processo Seletivo Indígena.

Poderão participar da seleção os indígenas aldeados do território nacional que concluíram ou irão concluir o Ensino Médio até a data prevista para a matrícula, que conforme o cronograma será dia 03 de março de 2017. No momento da inscrição, o candidato deverá optar por até dois cursos em ordem de preferência e prioridade.

Para o dia 17 de janeiro está prevista a divulgação da lista dos inscritos. A prova será aplicada no dia 20 de janeiro e terá duração de quatro horas. A abertura dos portões para entrada dos candidatos ocorrerá às 13h e o fechamento às 13h50 (Horário de Brasília – DF). O exame será realizado no Instituto Federal Sul-rio-grandense, Campus Passo Fundo, a partir das 14h.

O processo seletivo será constituído de uma prova de redação, na modalidade dissertativa. Serão avaliados os seguintes critérios: atendimento ao tema; progressão temática; predomínio da tipologia dissertativa e adequação à norma cultura do português brasileiro.

Abaixo os cursos com oferta de vagas para indígenas aldeados:

O resultado final está previsto para ser publicado no dia 23 de fevereiro de 2017. Para mais informações, leia o Edital nº 388/2016.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2017 – Divulgado o edital para ingresso de Indígenas Aldeados 2017
2017 – Divulgado o resultado final do Processo Seletivo para Indígenas Aldeados

************
2012 – Programa Anauê realiza segunda visita técnica às Terras Indígenas
2012 – Anauê: Visita técnica à Reserva da Guarita aproximou equipe da vivência indígena
2012 – Equipe do Programa Anauê visita comunidades indígenas
2012 – Atividades de recepção integram calouros à instituição
2012 – UNIPAMPA discute ações de apoio à inclusão de estudantes indígenas em Seminário
2012 – UNIPAMPA celebra Termo de Cooperação com lideranças indígena
***********
2011 – Unipampa celebra Termo de Cooperação com lideranças indígenas
2011 – Uruguaios fronteiriços e indígenas aldeados têm oportunidade de ingresso específico na UNIPAMPA
2011 – Divulgado o resultado das provas do processo seletivo para indigenas aldeados
2011 – UNIPAMPA e líderes indígenas debatem propostas inclusivas

Unipampa participa do 3º Fórum das Ações Afirmativas

A Universidade Federal do Pampa (Unipampa) participou do 3º Fórum das Ações Afirmativas da Região Sul, realizado nos dias 31 de outubro e 1º de novembro, na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), em Foz do Iguaçu. O evento discutiu os desafios e perspectivas das Instituições Federais de Ensino Superior do Paraná, de Santa Catariana e do Rio Grande do Sul na implementação e manutenção da reserva de vagas, principalmente, para negros, indígenas e pessoas com deficiência. Os debates foram voltados ao acesso à graduação, pós-graduação e aos concursos públicos. Também foram abordados temas como as políticas de permanência, a avaliação das ações e as comissões de verificação de autodeclaração.

A coordenadora de Ações Afirmativas da Unipampa, professora Fabiana Missau, representou a Instituição no painel Ações afirmativas e o acesso dos povos e comunidades tradicionais ao ensino superior. “A Unipampa está intensificando o planejamento de ações para o acesso das comunidades indígenas e quilombolas em cursos da Universidade”, destacou Fabiana. Também participou do painel a professora Sátira Machado, que apresentou as novas possibilidades de criação dos Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABIs) nos campi da Unipampa. “Criado em 2010, o NEAB de Uruguaiana foi o primeiro. Agora, com a aprovação do Regulamento dos NEABIs na última reunião do Consuni, mais Núcleos poderão potencializar as ações afirmativas na Universidade, em todas as Unidades Universitárias”, afirmou a docente.

A Unipampa integra o Fórum das Ações Afirmativas da Região Sul desde 2014, quando participou da primeira edição realizada na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Em 2017, o evento acontecerá em Santa Catarina, aproximando mais de 20 instituições federais da região em torno da temática. O núcleo organizador do 4º Fórum será composto pelas seguintes instituições: Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Unila, UFSCUnipampa.

Programação

Dia 31/10
9h – Mesa de abertura
9h30 – Conferência de Abertura: A Ruptura da Democracia no Brasil e os Desafios para as Ações Afirmativas
14h – Painel 1: Ações afirmativas e a políticas de permanência – desafio da inclusão da população negra e indígena no ensino superior
16h15 – Painel 2: Sistemas de Avaliação, Monitoramento e no Ensino Superior Público Federal

Dia 1/11
9h – Painel 3: Comissão de Verificação da Autodeclararão/Ações Afirmativas nos concursos públicos
14h – Painel 4: Ações afirmativas e o acesso dos povos e comunidades tradicionais ao ensino superior
16h15 – Painel 5: O desafio das ações afirmativas na Pós-graduação – o acesso e as políticas de permanência
18h30 – Exposição das deliberações dos Painéis e a Carta do Fórum Latino-Americano de Estudantes
19h – Encerramento

Unipampa lança Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas em Jaguarão

O Campus Jaguarão da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) lançou, em novembro, o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi), que visa à promoção de atividades de ensino, pesquisa e extensão voltadas às temáticas da história e da cultura africana, afro-brasileira e indígena. A cerimônia contou com a presença do reitor da Instituição, Marco Antonio Fontoura Hansen.

O regimento geral dos núcleos foi aprovado, recentemente, pelo Conselho Universitário (Consuni). O documento disciplina a criação, organização e funcionamento dos Núcleos de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi), nos dez campi da Unipampa.

Em Jaguarão, o Neabi foi apresentado pelas professoras dos cursos de Produção e Política Cultural, Sátira Machado, e de Pedagogia, Simone Alves.


Na ocasião, o reitor destacou: “A Unipampa é uma instituição inclusiva e os núcleos abrirão novas portas para parcerias no âmbito das ações afirmativas”.

Lançamento do Neabi do Campus Jaguarão – Foto: Alexandre Caldeirão

Os núcleos serão compostos por servidores e discentes da Unipampa, identificados com os objetivos do Neabi, sendo eles afrodescendentes, indígenas ou de diversas etnias. A composição inclui, ainda, integrantes das comunidades do entorno das Unidades Universitárias e membros do Movimento Social Negro e Indígena.

Para o vice-reitor, Maurício Aires Vieira, “a Unipampa avança por ter um núcleo que trate desta política de uma forma mais materializada e, mais regimentada, dentro da Universidade”.

Histórico dos Núcleos na Unipampa

Em 2010, foi criado, no Campus Uruguaiana, o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab), coordenado pela professora Marta Iris Camargo Messias da Silveira. Este núcleo foi pioneiro em desenvolver ações de promoção da diversidade étnico-racial, de valorização das histórias e cultura afro-brasileiras e indígenas, fortalecendo as ações afirmativas na Unipampa.

Em julho de 2016, por iniciativa do então pró-reitor adjunto de Assuntos Estudantis e Comunitários, professor Cristóvão Domingos de Almeida, em diálogo com a Comissão Especial de Estudos sobre História e Cultura Afro-brasileira e Indígena (Hicabi), foi encaminhado ao Consuni o regulamento para a criação de novos núcleos nos campi da Instituição.

Com parecer favorável da conselheira, professora Ana Cristina da Silva Rodrigues, diretora do Campus Jaguarão, o regimento foi aprovado durante a 74ª Reunião Ordinária do Conselho, realizada em Bagé. O documento também cita a criação do Fórum Neabi/Unipampa, que será responsável pela integração dos dez núcleos da Universidade e pelo diálogo permanente com a Coordenadoria de Ações Afirmativas (CAF), coordenada pela professora Fabiana Missau.

Antecedentes Nacionais dos Núcleos

A história dos Núcleos Brasileiros tem início em 1956, com a criação do Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO), da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Desde então, outras Instituições de Ensino Superior, públicas e privadas, passaram a criar órgãos correlatos, como os Núcleos.

“A maior inserção de militantes afrodescendentes nas Universidades possibilitou a aproximação desses profissionais no primeiro Congresso Brasileiro de Pesquisadores/as Negros/as (Copene) e a criação da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), em 2000”, conta a professora Sátira.

Atualmente, essa rede de cooperação científica reúne mais de cem núcleos, incluindo os da Unipampa, que produzem conhecimentos sobre África, diáspora africana, afro-brasileiros e indígenas em todas as regiões do país.

Com informações da professora Sátira Machado

Unipampa e líderes indígenas debatem propostas inclusivas

A Universidade Federal do Pampa (Unipampa) está estudando formas de ampliar a inclusão das populações indígenas no Ensino Superior. Algumas propostas incluem um processo seletivo especial para os jovens das comunidades kaingangues e guaranis do Estado e um âmbito da assistência estudantil.

A primeira rodada de discussões aconteceu no I Encontro com Líderes Indígenas, ocorrido no dia 8 de julho de 2011 no Palacete Pedro Osório em Bagé.

No evento, coordenado pelo vice-reitor da Unipampa, professor Norberto Hoppen, estiveram presentes caciques representando nove comunidades indígenas, a representante da FUNAI, assistente social Maria Inês de Freitas, a representante da FURG, a assistente social Soledad Bech Gaivizzo, e o representante do CAPEIN/UFRGS, professor José Otávio Catafesto de Souza, além de representantes das 21ª e 39ª Coordenadorias Regionais de Educação, acadêmicos da URI Erechim e UFRGS.

Representando a UNIPAMPA, além do vice-reitor, participaram a pró-reitora de Assuntos Estudantis e Comunitários (PRAEC), professora Laura Fonseca, a pró-reitora de Graduação (PROGRAD), professora Lucia Vinadé, o diretor do Campus Bagé, professor Fernando Junges, o coordenador do Processo Seletivo da Universidade, professor Carlos Aurélio Dilli Gonçalves; os coordenadores acadêmicos do Campus Jaguarão, professor Maurício Vieira, e do Campus Santana do Livramento, professor Luiz Edgar Lima, a representante da Comissão de Ações Afirmativas da Universidade, professora Marta Iris Camargo Messias da Silveira, do Campus Uruguaiana.

A organização do evento foi um trabalho conjunto das equipes do Gabinete da Reitoria, da Pró-reitoria Acadêmica (PROACAD) e da PRAEC.

Os indígenas não têm ainda uma forte participação no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que está se tornando uma grande porta de acesso aos bancos universitários. Com isso, mesmo tendo uma cota de vagas prevista pelas políticas afirmativas, a população indígena não está conseguindo aproveitar a oportunidade. Com isso, uma proposta é a criação de um processo seletivo especial para os estudantes indígenas. As normas e a viabilidade dessa iniciativa devem ser avaliadas no âmbito do Conselho Superior Universitário da UNIPAMPA (CONSUNI)_ destacou a professora Laura Fonseca.

Outro aspecto discutido pelos líderes, de acordo com a pró-reitora Laura, é o interesse das comunidades por cursos específicos da Unipampa, vistos como especialmente relevantes para o desenvolvimento das populações. A questão será levada ao conhecimento dos cursos para que se possa construir uma solução adequada do ponto de vista legal e que atenda dentro do possível o anseio das populações indígenas.

As possibilidades de colaboração da Assistência Estudantil também chamaram a atenção dos caciques, que já conhecem um pouco dos benefícios em vigor nas universidades federais graças à presença de índios nos corpos discentes da FURG e da UFRGS.

Apesar do interesse nas condicionalidades dos benefícios geridos pela PRAEC, a pró-reitora Laura Fonseca afirma que os líderes demonstraram maior preocupação em relação às dificuldades de convivência entre jovens de culturas diferentes.

Uma proposta de apoio que permita que os alunos indígenas não ingressem isolados nos cursos é vista como favorável para que os estudantes não percam por completo o contato com alguém da sua cultura, o que também pode ajudar na integração. Ideias nesse sentido também terão de ser debatidas com os líderes e apreciadas pelo CONSUNI.

FONTE: http://wp.clicrbs.com.br/uruguaiana/tag/unipampa/page/7/