Guerra Colonial e Literatura

Apresentação

A pesquisa propôs o estudo de um dos elementos assentes na composição da narrativa literária contemporânea portuguesa que tematiza eventos-limites, como o foram as guerras coloniais (1961-1974): o teor testemunhal, tanto do evento histórico quanto da experimentação vivida, e ultrapassada, no âmbito pessoal, o modo como ele é materializado através da linguagem artisticamente elaborada e os possíveis elos e/ou dissonâncias entre texto documental e texto ficcional. Conceitualmente tratou-se da perspectiva teórica literária que acompanha a emergência de romances contemporâneos que tratam de eventos bélicos, quanto da delimitação de sujeitos narradores inseridos num contexto pós-colonial, em cujo discurso é possível reconhecer acentuada carga ideológico-valorativa e, acima de tudo, a demarcação de posicionamento de cunho fortemente pessoalizado. Como produto final, merecedor de reflexão, tem-se a amálgama entre personagem narrador e “persona” autoral, depreendido na linguagem literária e por ela mediatizado, conduzindo à interação entre História e Literatura.

Para tanto, a pesquisa elegeu um corpus entre os romances significativos na literatura portuguesa pós-1974, cujos autores têm na sua trajetória existencial a proximidade real com o fato histórico (as guerras coloniais travadas entre Portugal e as ex-colônias – Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, entre 1961 a 1974), e alcançaram êxito na transfiguração da ocorrência empírica para o discurso literário, a saber: José Martins Garcia (Lugar de massacre), João de Melo (Autópsia de um mar em ruínas), António Lobo Antunes (Os cus de Judas) e Lídia Jorge (A costa dos murmúrios).

Por aproximar dois campos semióticos de intensa comunicação (a Literatura e a História), o projeto se uniu aos esforços do Grupo de Pesquisa “Estudos de intertextualidade: códigos estéticos e culturais; sistemas literários”, da Faculdade de Letras (Departamento de Letras Vernáculas) da UFPel/RS, coordenado pelo Prof. Dr. João Manuel dos Santos Cunha, no afã de priorizar as relações intertextuais de diferentes formas expressivas, de acordo com os mais fundamentais preceitos da área em que se insere: a Literatura Comparada.

Este projeto vem a ser o primeiro empreendimento na área dos estudos literários relativos às literaturas de expressão portuguesa, dentro dos Cursos de Letras recém-iniciados na Unipampa-Bagé, cursos que têm, em suas disciplinas, todo um direcionamento para o estudo simultâneo dessas manifestações, na nova Universidade em fase de implantação.