Produções Acadêmicas

O TRAUMA NARRADO NA OBRA OS CUS DE JUDAS:
A LITERATURA A SERVIÇO DO TESTEMUNHO

The narrated trauma in Os cus de Judas:
The literature serving the testimony

Rafael Nunes Ferreira
Graduando do Curso de Letras
Universidade Federal do Pampa – Unipampa /Bagé

RESUMO

No presente artigo, pretendemos analisar a narrativa Os cus de Judas (1979), cuja temática refere-se à experiência-limite vivenciada pelo escritor António Lobo Antunes (1942) durante sua passagem por Angola, servindo ao exercito de Portugal, durante os enfrentamentos bélicos denominados guerras coloniais portuguesas, ocorridos entre os anos de 1961 a 1974 em três frentes: Angola, Guiné-Bissau e Moçambique. Lobo Antunes, que estivera cerca de vinte e sete meses em Angola, atuando como médico – experiência que acabaria por marcar densa e profundamente toda sua obra literária –, ao renunciar o estatuto do silêncio, criou um testemunho voraz acerca da sua experimentação da guerra em África. Para tanto, o autor utiliza-se de um narrador-personagem que, por meio de reminiscências puerícias e meditações sobre a condição em que se encontra, narra, de forma fragmentada, os anos de temor e angústia inumanos que carrega na memória. Para a análise da obra antuniana, buscamos suporte em autores como Márcio Seligmann-Silva, Beatriz Sarlo, Rui de Azevedo Teixeira, entre outros, cujos estudos abordam aspectos como memória, testemunho, trauma, tempo passado, guerra colonial, etc.

Palavras-chave: Experiência-limite, memória, testemunho, representação.

O artigo pode ser lido na íntegra no endereço: http://espacoliterarte.blogspot.com/

  

NARRAR A MEMÓRIA DO TRAUMA:
A LITERATURA DE TESTEMUNHO E O CASO OS CUS DE JUDAS

 Narrating the memory of trauma:
the literature of testimony and the case Os cus de Judas

Rafael Nunes Ferreira
Graduando do Curso de Letras
Universidade Federal do Pampa – Unipampa /Bagé

RESUMO

Neste artigo, pretendemos analisar a narrativa Os cus de Judas, de 1979, do escritor português António Lobo Antunes, na qual o autor narra sua passagem por Angola, um dos palcos das guerras coloniais portuguesas (1961-1974), experiência que marcara profundamente sua vida e sua produção literária. Sob a ótica da literatura de testemunho, nascida a partir do acúmulo de catástrofes ocorridas no Século XX, buscamos conceituar alguns dos aspectos dessa produção de cunho testemunhal presente na obra de António Lobo Antunes.

Palavras-chaves: Literatura de testemunho, trauma, representação, guerra colonial.

 O artigo pode ser lido na íntegra no endereço: http://espacoliterarte.blogspot.com/

AS RUÍNAS DE UMA AUTÓPSIA COLETIVA:
UM OLHAR FICCIONAL SOBRE A GUERRA COLONIAL

 The ruins of a collective autopsy:
a fictional vision about the colonial war 

Rafael Nunes Ferreira
Graduando do Curso de Letras
Universidade Federal do Pampa – Unipampa /Bagé 

RESUMO

O presente trabalho incide na temática dos estudos sobre a literatura portuguesa pós-colonial, em geral, e na abordagem do romance Autópsia de um mar de ruínas (1984), produto da experiência do escritor açoriano João de Melo durante vinte e sete meses de mobilização em Angola, em particular. O romance narra o cotidiano de soldados e nativos angolanos durante os anos de guerra colonialista travados por Portugal, Angola, Guiné-Bissau e Moçambique. O objetivo deste estudo é delinear uma relação entre discurso histórico documentado e discurso ficcional.

Palavras-chave: Guerra Colonial, João de Melo e testemunho.

O artigo pode ser lido na íntegra no endereço: http://espacoliterarte.blogspot.com/